O MicroServiço

Uma breve tendencia mundial.

O MicroServiço.

Uma breve tendência mundial.

A era da informação trouxe um novo problema para o mundo dos grandes softwares corporativos, ou seja, esses sistemas não estão conseguindo atender o grande volume de informações que são geradas no dia a dia, e pior, ficam cada vez mais complexos.

A imensa nuvem de dados estão deixando as aplicações monolíticas atrás do seu tempo. De fato, os softwares corporativos necessitam cada vez mais de escalabilidade, uma fácil manutenção, disponibilidade (deploy) e integrações com diversos sistemas e ou dispositivos, como por exemplo a ‘internet das coisas’.

Monolícos x Microservico

As monstruosas aplicações que fazem de tudo em um único sistema, as chamadas de aplicações ERP, que em sua maioria, são aplicações monolíticas cheias de velhos problemas, conhecidas como manutenção complicada, com baixa escalabilidade e uma tremenda dificuldade para integrações com outros sistemas. Em geral, a grande desvantagem se reflete na competitividade perante novas arquiteturas.

Vale ressaltar que a aplicação arquitetada em Microserviço fornece uma maneira mais prática, simplificada e de fácil manutenção, ela também prevê boas maneiras de integrações com quaisquer outros dispositivos ou sistemas, seja na mesma linguagem de programação ou não, e o melhor, é escalável por si só.

A disponibilidade desse tipo de arquitetura também é alta, uma vez que sua construção visa atender um pequeno pedaço do todo, ou seja, são vários pequenos aplicativos fragmentados e disponíveis via HTTP para toda a empresa, por isso, sua atualização não requer que todas as funcionalidades do sistema parem, apenas aquele micro serviço em questão é paralisado em uma atualização.

Outra grande vantagem da utilização da arquitetura em microserviço é que seu nascimento é único, e reutilizável para qualquer outro sistema ou área da empresa.
Por exemplo: Funcionalidade de cadastro de pessoas.

A área de Recursos Humanos necessita de um sistema para cadastrar seus candidatos de processos eletivo, entretanto a área de vendas também necessita cadastrar seus clientes em um sistema. No modelo de sistema monolítico, provavelmente seria construindo duas funcionalidade de cadastro de Pessoas, uma para os cadastro de Clientes e outra para cadastro dos Candidatos. Se analisarmos as redundâncias de dados de cadastro, veremos que os campos: nome, cpf/cnpj, endereço e telefone, entre outros, estarão redundantes e espalhados em duas funcionalidades diferentes. Quanto vamos para o conceito de microserviço,não haveria essa redundância de funcionalidade, o serviço de ‘Cadastro de Pessoas’ seria disponibilizado para os serviços de RH e Vendas consumirem, ou qualquer outro serviço que venha a ter necessidade. Logo não haveria uma replicação de tabelas e funcionalidades espalhadas pelo grande sistema monolítico.

Sem dúvida é uma das melhores formas de um sistema estar preparado para a era do Big Data e da Nuvem. Um sistema arquitetado em Microserviços proporciona uma maneira simplificada de integração com quaisquer sistemas, linguagens, dispositivos e ainda assim mantém um código simples e de baixa manutenção, podendo ser escalável com facilidade. Não é possível não pensar nessa arquitetura nos projetos de um grande sistema corporativo nos dias de hoje.

Publicidade

Comentários

  1. O fim do monolítico está chegando! Microserço traz vantagens ... sem dúvidas!

Deixe um comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *